Temer: o nada - Crônica de Deusval Lacerda de Moraes

03/11/2017

O governo ilícito de Michel Temer está reduzido a pó, a nada. Pois o presidente golpista não tem País para governar. O Brasil que ele governa é caricatura institucional de uma Pátria, uma vez que quase zero da população o quer governante da Nação.

Não é em vão que ele é o presidente mais impopular da história do Brasil. Atualmente é também o presidente mais impopular do mundo. O desempenho do governo espúrio não tem nada para se apontar de positivo, pelo contrário, é deficitário, por só fazer coisas negativas para o povo e para o Brasil.

É um caso para estudo da Ciência Politica. Como pode um governo não ter ação em benefício da sociedade? Todos os atos são em prejuízo da coletividade e, para piorar as coisas, também atravancam o progresso no futuro. Isto realmente não seria de esperar-se em política que os envolvidos não fossem tribais.

Apenas para demonstrar a veracidade dos fatos, cita-se o caso do segundo arquivamento das denúncias feitas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Temer e dois dos seus asseclas na Câmara dos Deputados.

Antes, porém, faz-se necessário lembrar que Temer livrou-se de um processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em que eram abundantes as provas contra ele. Em agosto último, escapou da primeira denúncia da PGR na Câmara.

Segundo matéria da revista Veja, para afastar o risco de ser derrotado na Câmara, o presidente abriu o cofre do governo, liberando dinheiro de emendas parlamentares, fazendo concessões fiscais a devedores e adiando projetos que, de outro modo, poderiam incrementar a receita e melhorar a vida da população.

Afirma a matéria que, somando tudo, a conta para o contribuinte brasileiro é da ordem de 45 bilhões de reais. O mais recente foi a mudança nas regras sobre combate ao trabalho escravo.

E reportou sobre o que disse o professor Joaquim Falcão da FGV Direito Rio: "Os esforços para recusar a denúncia e processar o presidente Michel Temer não são, como muitos pensam, apenas uma questão orçamentária, trata-se de algo mais. Trata-se de leiloar a Constituição. Conceder direitos que valem mais do que recursos financeiros. Direitos contra acordos internacionais, contra a dignidade da pessoa humana, direitos contra os cidadãos".

O dito pelo professor da FGV merece uma reflexão. Pois se trata de atentado contra o Brasil e seu povo. Pois mexe com o povo brasileiro em geral, os direitos fundamentais da pessoa humana, os da cidadania, atende aos interesses escusos do capitalismo nacional e estrangeiro, e ainda atrapalha o País em seus acordos bilaterais e multilaterais com o resto do mundo.

Em sendo assim, o que fazer com Temer e sua corriola que, conforme o assinalado pelo jurista acima, estão prestando desserviço ao País? Alguma providência deve ser tomada. Não pode, depois da borrasca, todos irem para as suas casas como se nada tivesse acontecido. Aí eu quero ver as instituições pátrias funcionando, desempenhando o seu papel, mas estritamente dentro do Estado Democrático de Direito. Amém!