Quem defenderá o trabalhador?

25/03/2017 18:50

Pergunta bem pertinente nos últimos meses e que pelo o andar dá carruagem vai perdurar por um bom tempo. Atualmente, dia após dia, a classe dos trabalhadores vem sendo surpreendida com situações que trazem muita preocupação, como medidas e propostas governamentais apresentadas pelo Governo, aprovação de leis no Congresso, pareceres, comentários dos nossos representantes etc.

Era para estarmos colhendo é usufruindo daquilo que foi conquistado com árduas lutas lá atrás, que são os nossos Direitos trabalhistas. A história não deixa apagar das nossas mentes as atrocidades que acompanharam esta classe por muito tempo e que aos poucos foram sendo revertidas por força popular.

É nítida a fragilidade do empregado em face dos empresários e do Estado, sendo necessário assim, a manutenção dos nossos Direitos e garantias para não ficarmos a mercê dos poderosos e termos recursos disponíveis em um possível embate contra os mesmos. Diminuir e suprimir esses Direitos com um fraco argumento de que são as alternativas possíveis para reorganização dá economia do país, uma vez que há outras alternativas viáveis para tal operação, nos mostra o quão mesquinho e ardiloso é o nosso Governo e seus aliados, no qual ao invés de proteger o seu povo (as pessoas que os colocam lá), encontram formas legais de atacar diretamente a classe mais fraca em uma relação empregatícia, o trabalhador.

Reformas como a previdenciária e trabalhista, lei da terceirização etc., vão interferir no modo de viver do cidadão. Fica claro quais são as prioridades de quem está no poder, interesse próprio. A crítica não é a uma reforma, e sim como ela está sendo feita e os Direitos que elas atingem. Aprovação dessas propostas se configura um tamanho retrocesso. Então surge a pergunta, quem defenderá o trabalhador?