Piauí supera o próprio país na redução de analfabetismo entre 2001 e 2015, diz IBGE

22/12/2017

O Piauí conseguiu superar o Brasil na queda do percentual de analfabetos no período de 2001 e 2015, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE. De acordo com o levantamento, a redução da taxa de analfabetismo no Estado foi de aproximadamente 44% no período, quando no Brasil a redução foi de 38% e, no Nordeste, de 36%. 

Em 2001, 31,81% da população piauiense a partir de cinco anos de idade era considerada analfabeta. Quatorze anos depois, o índice era de 17,78%. No Nordeste, no mesmo período, a taxa caiu de 25,92% para 16,52%. No Brasil, a queda foi de 14,59% para 9,08%. Em alguns estados, a taxa de analfabetismo cresceu, como o Amapá, que tinha 8,10% de analfabetos em 2001 e passou a ter 8,84% em 2015.

Em algumas unidades da Federação, o analfabetismo não apresenta uma redução constante, mas sim uma variação entre aumento num ano e queda no outro. No caso do Piauí, desde o início da série histórica, a curva é decrescente. Há um período, porém de 2012 a 2014, que a taxa de analfabetismo cresceu, passando de 19,33% em 2012 para 20,59% em 2014. No ano seguinte, 2015, primeiro ano da atual gestão do Governo do Estado, voltou a cair para 17,78%.

Analfabetismo cai, depois de dois anos de crescimento

No primeiro ano da atual gestão do Governo do Estado, a taxa de analfabetismo do Piauí teve uma redução de 13%, na comparação entre 2015 e 2014 (ano que era administrado por outro governador). Além disso, o governador Wellington Dias reverteu a tendência de crescimento do analfabetismo no Estado a partir de 2012.

Naquele ano, o Piauí tinha 19,33% de analfabetos. No ano seguinte, já eram 19,92% dos piauienses nessa condição. Em 2014, a taxa havia subido para 20,59%. E só caiu em 2015, já na gestão Wellington, quando o índice foi reduzido para 17,78%.

Investir em educação tem sido uma prioridade do atual Governo. Para isso, ações como Pré-Enem, passe livre, construção e reforma de escola integral e implantação de tecnologias de combate às faltas escolares (como o Mobieduca.me) são fundamentais para aumentar o número de matrículas nos colégios e reduzir o analfabetismo.
Queda na taxa de analfabetismo de 2001 a 2015 (IBGE, PNAD)

Piauí - 44%

Brasil - 38%

Nordeste - 36%

Maranhão - 21%

Ceará - 36%

Alagoas - 37%

Veja abaixo o Analfabetismo no Piauí de 2001 a 2015 (Em % da população a partir de 5 anos de idade):

Ano Taxa

2001 - 31,81%

2002 - 31,41%

2003 - 30,08%

2004 - 29,01%

2005 - 28,78%

2006 - 27,25%

2007 - 24,47%

2008 - 25,30%

2009 - 24,00%

2011 - 19,85%

2012 - 19,33%

2013 - 19,92%

2014 - 20,59%

2015 - 17,78%

Fonte: Portal AZ