Médico sanjoanense, Diretor Técnico do HGV, comemora aniversário do Hospital

11/05/2017 07:00

Médico sanjoanense, Dr. Ingrácio Jr, mais conhecido entre os sanjoanenses como Dr. Poroca, Diretor Técnico do Hospital Getúlio Vargas, comemora aniversário do HGV, que de forma satisfatória, apresenta grandes números.

Dr. Poroca, com toda sua experiência e conhecimento, vem mostrando de forma bastante profissional, muita competência e compromisso com a saúde, e também na gestão, dos que precisam do HGV. O médico sanjoanense é o responsável pela parte técnica, profissionais, equipamentos e materiais.

O Hospital Getúlio Vargas (HGV) completou, no dia 3 de maio, 76 anos, com uma programação que incluiu Missa em Ação de Graças, o tradicional corte do Bolo pela manhã e, à noite, a apresentação do Documentário "HGV: 76 anos" e a inauguração do Memorial das ex-gerentes de enfermagem que fizeram parte da história do hospital. Para a diretora geral, Clara Leal, nessas sete décadas e meia, o HGV tem conseguido ampliar serviços e avançar em alta tecnologia

Para Clara Leal, nessas sete décadas e meia, o hospital tem muito que comemorar. "Apesar das dificuldades enfrentadas, o HGV tem conseguido ampliar serviços e avançar em alta tecnologia". Ela ressalta o apoio da Secretaria da Saúde que possibilitou um avanço e ampliação do número de cirurgias e consultas no Hospital e a redução do tempo de espera por um procedimento.

A gestora destaca como conquista, a ampliação da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que passou a contar com 20 leitos de UTI. Para a diretora um leito de UTI que é aberto significa uma oportunidade a mais para as pessoas que dele mais necessitam e, com isso, possibilita o aumento no número de cirurgias complexas.

A diretora relata como positivo a ampliação do número de consultas com a implantação do Ambulatório do Trabalhador à noite, que possibilitou um incremento de mais de 3 mil consultas à noite. Como também o aumento de consultas diárias, passando de 12 para 16 consultas diárias para cada profissional médico.

Como também a realização de 72 mutirões de cirurgias, nos últimos dois anos, beneficiando cerca de mais de duas mil pessoas em várias especialidades médicas. Para Clara Leal, os mutirões conseguiram contribuir para a redução do tempo de espera por um procedimento no hospital e reduziram a fila em 51,2%. "Hoje, temos uma média de espera de 40 dias para um procedimento eletivo", explica a gestora.

Em 2014, a fila de espera no HGV era de 4.246 pessoas. Com a realização dos mutirões, esse número caiu para 2.072 pessoas. A maior redução foi na área de ortopedia quando, em 2014, existiam 2.203 pacientes aguardando por um procedimento. Atualmente, são apenas 279.

Utilização de alta tecnologia e abertura de novos serviços

A diretora geral, Clara Leal, destaca que o HGV tem avançado em alta tecnologia e renovação do parque tecnológico que tem possibilitado a realização de procedimentos minimamente invasivos que proporcionam melhor qualidade e segurança ao paciente.

Dentre eles, foi realizada a primeira gastrectomia total por vídeolaparoscopia (retirada total do estômago) e a primeira cirurgia de Lobectomia Pulmonar por Videolaparoscopia que utilizou tecnologia avançada, reduzindo o tempo cirúrgico, a morbidade do paciente e o tamanho das incisões. As técnicas, minimamente invasivas, proporcionaram benefícios como recuperação mais rápida, retorno laboral precoce e morbidade menor ao paciente.

No Serviço de Hemodinâmica, foi feita a primeira embolização de aneurismas cerebrais bilaterais, em um mesmo procedimento e sob anestesia local. Normalmente, quando há aneurismas grandes e bilaterais, o tratamento é feito em intervenções separadas e com anestesia geral.

O sucesso do procedimento somente foi possível porque a Hemodinâmica do HGV conta com uma equipe altamente experiente e bem treinada e, atualmente, está entre os hospitais públicos que mais realizam embolizações no país.

Também avançou na área de neurocirurgia e otorrino, uma cirurgia de retirada de tumor da base do crânio por via endoscópica garantiu a vida do lavrador Marlos Romão, de 46 anos, proveniente do município de Riacho Frio, a 797 quilômetros de Teresina.

Ele tinha um tumor no cérebro e utilizaram uma técnica com sistema de endoscopia, conhecida como cirurgia endoscópica da base do crânio, com equipamentos modernos, que não necessita abrir a cabeça, o tumor foi retirado por via nasal. "O caso de Marlos, assim como de outros pacientes, que têm chegado aqui com tumores gigantes, temos conseguido operar de forma menos invasiva, devido possuirmos equipamentos modernos que possibilitam a realização desse tipo de cirurgia com sucesso", explica o cirurgião Antônio Pedro.

Na área de fonoaudiologia, foi aberta uma sala de fonoterapia e uma sala anexa para os exames de audiometria. Onde estão sendo realizados os exames, como Audiometria, BERA - Exame do Potencial Evocado Auditivo do Tronco Encefálico; Otoemissões. Exames que pela primeira vez, estão sendo oferecidos pelo Sistema único de Saúde à população.

O diretor técnico do HGV, o cirurgião geral Ingrácio Amorim, falou aos colaboradores e convidados, quando destacou o incremento de novos procedimentos de alta complexidade e procedimentos endovasculares minimamente invasivos que têm contribuído para a qualidade da assistência no HGV.

Investimento na melhoria da Qualidade e no Ensino

O HGV também tem avançado na qualidade e segurança do paciente, onde foi selecionado para participar do Projeto Paciente Seguro, do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional (Proadi), do Ministério da Saúde (MS), sob a assessoria do Hospital Moinhos de Vento, no Rio Grande do Sul. O HGV participou da seleção com 70 hospitais das cinco regiões do país e foi selecionado dentre os 34 que participaram.

Para a diretora do HGV, Clara Leal, esse é um momento de compromisso social de melhoria da qualidade e segurança da atenção à saúde. "A nossa participação no projeto significa se propor a desenvolver um trabalho inovador que assimile a Segurança do Paciente como meio de aprendizado e aprimoramento contínuo do cuidado e com melhoria que agrega à saúde", destaca Leal.

Para ela, o hospital foi selecionado porque preenche todos os critérios técnicos, considerando número e perfil de leitos, localização geográfica, vínculo com o Sistema Único de Saúde (SUS) e pelo trabalho que desenvolve na implementação das seis Metas Internacionais de Qualidade e Segurança do Paciente.

A diretora informa ainda que houve um avanço muito grande na área do ensino com a ampliação de mais três Programas de Residências Médicas nas áreas de cirurgia vascular, coloproctologia e cirurgia do parelho digestivo.

Reformas e aquisição de equipamentos

Na área de reformas físicas, foi concluída a reforma da Clínica Nefrológica com espaço humanizado para acolher melhor os pacientes. Também foi organizada uma ala somente para internação dos transplantados.

Foram adquiridos três modernas máquinas para processamento de limpeza e desinfecção dos materiais médico-hospitalares utilizados em diferentes procedimentos. Os equipamentos representam a automatização dessas atividades, antes realizadas manualmente.

De acordo com Clara Leal é um grande avanço tecnológico para o HGV. "É uma modernização que demonstra a capacidade do hospital de estar constantemente se atualizando às recomendações técnicas do processamento de artigos hospitalares. Ao considerarmos nosso perfil de assistência de alta complexidade, mostra uma melhoria na segurança dessa assistência aos nossos pacientes", destaca a diretora.

Novos desafios

Para os próximos anos, a gestão destaca que a meta é regularizar o funcionamento do Centro Cirúrgico aos sábados e incorporar a rotina do HGV, com o mesmo funcionando de segunda a sábado.

Concluir a reforma das três clínicas que ainda não tinham sido reformadas, a clínica Médica, Cirúrgica I e Ortopédica e a conclusão do Projeto de Climatização para todas as enfermarias.

A ampliação de mais 20 leitos de UTI que estão em processo de licitação e o funcionamento das sete salas do centro cirúrgico que já foram concluídas e falta a parte de recursos humanos para funcionarem. Com isso, o número de cirurgias serão ampliadas em mais de 50%, contribuindo ainda mais para desafogar a fila e reduzir o tempo de espera por um procedimento no HGV.

O avanço do HGV se dá devido ao grande investimento do governo, que tem destinado muitos recursos do tesouro estadual, no qual sem eles, seria impossível alcançar tais avanços com mais qualidade e alta tecnologia.