I Seminário Estadual de Prevenção e Posvenção ao Suicídio

25/08/2017 19:00

Aconteceu  ontem, quinta-feira (24), e hoje, sexta-feira (25), o I Seminário Estadual de Prevenção e Posvenção ao Suicídio. O evento ocorreu no auditório da Associação Piauiense de Municípios (APPM) e solenidade de abertura contou com as presenças do governador Wellington Dias, do presidente da APPM, Gil Carlos, do secretário estadual de saúde, Florentino Neto, secretário de governo Merlong Solano, secretário estadual de assistência social e cidadania, Zé Santana, promotora de justiça Carla Daniele Carvalho, presidente do Conselho Estadual de Saúde Teófilo Cavalcante, presidente do Conselho Nacional de Psicologia Eduardo Moita, presidente do Conselho Municipal de Saúde de Teresina José Roberto Leite, Vice-presidente do Conselho Regional de Medicina Dagoberto Silveira e do deputado estadual Francis Lopes.

Durante a cerimônia de abertura, Gil Carlos, ressaltou a importância do debate para a sociedade piauiense. "Esse é um problema de saúde pública que merece total atenção, e preocupa inclusive a Organização Mundial da Saúde (OMS). É importante alertar que existe uma relação entre o status socioeconômico e o número de suicídio, e o Piauí é um dos estados com os maiores índices. Por isso, a necessidade de se criar um plano estadual de prevenção, uma vez que este é um problema que pode ser prevenido. A intenção é usarmos uma rede de atenção psicossocial e integrar os demais órgãos dos serviços públicos para definição de políticas de prevenção, de forma a mobilizar toda a sociedade", explica.

De acordo com o governador Wellington Dias, o evento marca um momento importante para a população do estado. "Esse seminário vai possibilitar a capacitação de profissionais, que estarão cada vez mais preparados para lidar com a situação. Agradecemos todos os setores que estão participando e somando a essa causa, com o desenvolvimento de políticas públicas de prevenção.", concluiu.

A palestra magna do Seminário, "Suicídio como Problema de Saúde Pública no Brasil", foi ministrada pelo Psiquiatra da UFRJ, Dr. Nelson Goldnstein, que discutiu em torno de temas que envolvem as motivações e os fatores de risco podem levar ao suicídio. O psiquiatra também comentou a iniciativa do Piauí, e ressaltou que o estado se coloca à frente nas políticas do enfrentando à pandemia . "O estado está criando um plano de ação intersetorial que vai além da intervenção médica. Convocando a sociedade de uma maneira mais complexa, assim como acontece na literatura mundial. Temos que aplaudir essa iniciativa que vai ser de grande importância para ensinar aos outros estados tudo que está sendo feito no Piauí", afirma.

O suicídio é um grande problema de saúde pública, como aponta relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), onde, a cada 40 segundos, uma pessoa, no mundo, tira a própria vida. No Piauí, foram 152 mortes em 2016, o que torna o estado com a maior taxa de mortalidade no país, com 7,6 por 100mil/habitantes. Para diminuir esses dados tão alarmantes, o Governo do Estado desenvolve diversas estratégias de prevenção ao suicídio e valorização à vida.

Um passo importante é a implantação do Plano Estadual de Prevenção ao Suicídio, que foi lançado no evento pelo governador Wellington Dias e pelo secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, na quinta-feira (24).

"O material do projeto foi produzido por pesquisadores e especialistas da área e prevê o conjunto de medidas que devem ser tomadas por diversas instâncias governamentais, municípios e sociedade civil para que possamos controlar o suicídio e conscientizar as pessoas sobre a importância do cuidado com a saúde mental", comenta Gisele Martins, gerente de Saúde Mental do Estado.

Campanhas educativas serão realizadas para conscientização da população em geral, dispondo de cartilhas com número de telefone e endereços de toda a rede assistencial do Estado, direcionamentos e explicações de como agir em certas situações. As campanhas também visam esclarecer sobre depressão e comportamentos autolesivos, ainda muito estigmatizados pela sociedade. 

Segundo estudo, 804 mil pessoas cometem suicídio todos os anos em todo o mundo. O Brasil é o oitavo país em número de suicídios.

O Piauí apresenta uma taxa bruta de mortalidade por suicídio superior à do Brasil e Nordeste no período de 2010 a 2014, caracterizado por uma tendência crescente, ao se fazer uma comparação entre os anos de 2010 e 2014, respectivamente. Em termos de dados absolutos, evidencia-se que Teresina é o município com maior número de óbitos por suicídio, seguido pelos municípios de Parnaíba e Picos.

Fonte: APPM e Governo do Estado