Ciro defende que vice de Wellington seja definido em pesquisa eleitoral

25/11/2017

A disputa pela candidatura de vice na chapa de Wellington para 2018 continua e o senador Ciro Nogueira (PP) defendeu que sejam realizadas pesquisas eleitorais para definir o melhor nome. Ele observa que a coligação é que decidirá quem é o mais preparado para disputar, após analisar sobre apoio eleitoral e populacional.

A disputa entre o PMDB e PP quanto à vaga fez com que Ciro se manifestasse. O PMDB, que é da base do governo do Estado, defende o nome do presidente da Assembleia Legislativa, Themístocles Filho (PMDB). Ciro Nogueira, inclusive, reafirma que o PP tem interesse na vice-governadora Margarete Coelho (PP) como candidata à reeleição e que esse é um desejo do partido.

"Acho mais do que salutar (que pleiteie a vaga). O Themístocles é umas das grandes lideranças do nosso Estado, um nome que tem uma representatividade muito grande, mas ninguém é candidato de si próprio, ninguém é candidato do PMDB, do PP. Wellington é candidato a governador porque é o melhor nome da coligação, não é candidato do PT, é de todos os partidos da base. O Ciro é candidato porque é o melhor quadro para o Senado. A chapa de vice e a outra de senador, que ainda não está definida, nós vamos buscar os melhores quadros. Se o Themístocles for o melhor nome me apoio, em pesquisa, para fazer com que Wellington e Ciro ganhem a eleição, vai ser o Themístocles. Se não for, a Margarete tiver um nome melhor nas pesquisas, de apoio, vai ser ela. E a definição só vai acontecer no próximo ano".

Ele negou que os Progressistas queiram uma candidatura ao governo do PP, muito menos com Margarete candidata. "Margarete é um dos nossos melhores quadros, seria uma grande governadora, não tenha dúvida, mas o que queremos hoje é que seja nossa vice-governadora, que está ajudando muito na gestão.

Além disso, Ciro negou que os últimos desalinhamentos entre lideranças PP e a base do governo, - quando da votação do projeto que aumentava impostos na Assembleia -, signifiquem um futuro rompimento com o governo do Estado. Para Ciro, é mais do que natural conflitos entre a base.

"Tem os conflitos nas bases, as disputas, até eu e o próprio Wellington já tivemos discussões acaloradas, mas estamos conscientes de um projeto maior para o Piauí. Nunca colocamos em cheque a nossa aliança e o que queremos para o Estado, tenho uma sintonia perfeita com Wellington e isso faz superar qualquer tipo de divergência na nossa base e o PP segue no governo".

Influência no Palácio da Cidade

Ciro confirmou que agiu como interlocutor do prefeito Firmino Filho (PSDB) e que fez telefonemas a vereadores de Teresina, para pedir que não comparecessem à votação antecipada que reelegeu Jeová Alencar (PSDB) a presidente da Câmara.

"Estou ao lado do prefeito Firmino Filho na capital. Ele não achava por bem que fosse aquele momento, ele não tinha dúvidas que se houvesse a eleição daqui a um ano, o Jeová seria eleito. Conta com nosso apoio e ia contar com os votos de todos os progressistas, o problema é que Firmino achava que esse não era o momento e o PP como aliado, tinha que ficar ao seu lado, e eu estarei com ele em qualquer situação que diga respeito a prefeitura.  

Fonte: TV Cidade Verde